Terminal Gás Sul

Florianópolis, 02.06.2021

0
290
Unidade Flutuante de Armazenamento e Regaseificação (FSRU) (foto: divulgação NFE)

Expectativa é de que o terminal, que será instalado em São Francisco do Sul, esteja pronto para o fornecimento de gás no início de 2022, informa a New Fortress Energy. Para a FIESC, a aprovação da LAI é um passo fundamental para que o estado tenha disponível uma quantidade de gás que atenda o potencial de crescimento da indústria.

Florianópolis, 1°.6.2021 – O Terminal Gás Sul (TGS), projeto de terminal de GNL da New Fortress Energy (NFE) em São Francisco do Sul, recebeu na sexta-feira, dia 28 de maio, a Licença Ambiental de Instalação (LAI) do órgão ambiental estadual. Esta é a fase final do licenciamento estadual e as obras devem começar em junho. O terminal será um ponto de suprimento de energia alternativa para o Sul do país e abrirá a região para o mercado global de gás natural, a fim de aumentar a segurança energética e fornecer suprimento competitivo, informa a NFE. 

“O gás é um insumo importante para a indústria. Em Santa Catarina, hoje, a demanda é muito maior do que a oferta. Então, há falta de gás para alguns setores, notadamente o cerâmico. Mas também temos outras regiões, fora do litoral, que têm demanda, mas não são atendidas. Então, a licença ambiental é mais um passo fundamental para que o estado tenha disponível uma quantidade de gás que atenda o potencial de crescimento da nossa indústria”, afirma o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, lembrando que o excedente da produção poderá será vendido para outros estados. Com isso, haverá aumento da arrecadação de ICMS para Santa Catarina”, completou.   

Segundo o diretor da TGS, Edson Real, o terminal será um ponto crítico de abastecimento alternativo para aumentar a oferta de gás natural, atendendo a uma demanda do setor industrial catarinense. “Além de aumentar a oferta do insumo na região, fomentar o desenvolvimento econômico e aumentar a atratividade de novas empresas, temos a convicção de que a TGS trará muitos benefícios do ponto de vista socioambiental aos municípios do entorno”, afirmou.

O Terminal será construído a 300 metros da costa, no município de São Francisco do Sul, e escoará o gás por um gasoduto submarino que corre sob a Baía da Babitonga até sua margem norte, no município de Itapoá. O Terminal contará com um navio atracado permanentemente denominado Unidade Flutuante de Armazenamento e Regaseificação, mais conhecida como FSRU (por sua sigla em inglês: Floating Storage Regasification Unit), que pode fornecer até 15 milhões de m³ / dia de gás natural. A rota do gasoduto para fornecimento de gás seguirá por um gasoduto enterrado até Garuva, (Ramal Babitonga), que conectará a Instalação de Regaseificação de Babitonga ao Gasoduto Bolívia-Brasil (GASBOL). Em terra, o duto ocupará a faixa compartilhada pelo gasoduto OSPAR, que liga São Francisco do Sul a Araucária, dispensando nova intervenção territorial (supressão vegetal ou desapropriação).

A expansão do gás natural beneficiará o desenvolvimento de indústrias locais, como cerâmica, metalurgia e vidro, além de suprir a demanda de termelétricas nas regiões próximas ao empreendimento. O terminal proporcionará mais segurança energética à região Sul, garantindo o abastecimento e maior disponibilidade desse combustível, o que será um fator de atração de novos investimentos para a região.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui